Mulheres de Fortaleza pedem por justiça no maior julgamento de violência policial do ano

Começa no dia 20 de junho o julgamento dos 34 policiais militares acusados de matar 11 pessoas na Chacina do Curió, ocorrida em 2015, na Grande Messejana, periferia de Fortaleza. Desde então, mães e familiares da vítimas lutam por justiça, articuladas com movimentos de mulheres de todo o país. Depois de sete anos e meio, elas estarão frente a frente com os executores de seus filhos, maridos, irmãos. Esse será o maior julgamento do ano no país e o que tem o maior número de militares no banco dos réus desde o massacre de Eldorado dos Carajás, ocorrido em 2006, no Pará

SAIBA MAIS

A 6ª vítima de feminicídio do Distrito Federal chegou no Gama para morar com a mãe em 25 de dezembro passado. Ela tentava recomeçar a vida e foi assassinada pelo ex na manhã desta segunda (13/2)

Ellen Travassos
postado em 13/02/2023 11:08 / Correio Braziliense


 (crédito: Foto: redes sociais )
(crédito: Foto: redes sociais )
 

Simone Sampaio, 40 anos, a sexta vítima de feminicídio do Distrito Federal este ano, chegou em Brasília em 25 de dezembro com dois dos três filhos que teve com o seu assassino, João Alves Catarina Neto. A vítima se mudou para a casa da mãe e tentava recomeçar a vida.

Na manhã desta segunda-feira (13/2), Simone e João levaram a filha, de 15 anos, ao colégio. Na volta para casa, o homem pegou uma faca e golpeou a ex-mulher no pescoço, braço e barriga ao menos quatro vezes, segundo o Sargento Wanderson Souza. O militar estava de folga e conseguiu prender João Alves em flagrante.

Os dois moravam em Piúma, Espírito Santo, mas, segundo relatos preliminares, Simone veio para a capital fugir do ex-marido. No último sábado, de acordo com depoimento do autor do crime, ele veio a Brasília para visitar os filhos.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (Sejus) do Espírito Santo, João Alves, autor do crime, não tem registros no sistema prisional.

 

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2023/02/5073271-sexta-vitima-de-feminicidio-este-ano-no-df-fugia-do-ex.html

Simone foi morta pelo ex-marido após discussão por dinheiro

Simone Sampaio foi morta a facadas pelo ex-marido nesta segunda-feira (13/2) após uma discussão sobre a quantidade de dinheiro que a vítima gastava, de acordo com depoimento do autor
Ellen Travassos
postado em 13/02/2023 15:19 - Correio Braziliense
 (crédito: Foto: redes sociais )
(crédito: Foto: redes sociais )

De acordo com o depoimento do autor do crime, João Alves Catarina Neto, 45 anos, ele discutiu com a ex-mulher, Simone Sampaio, 40, e depois cometeu o feminicídio por conta do tanto de dinheiro que a vítima gastava. Elas estaria devendo para comerciantes da região em que eles moravam em Piúma (ES). O casal ficou junto por 22 anos.

Simone tinha a pretensão de vir morar com a mãe, na região do Gama, desde outubro de 2022, mas João não queria se mudar pois falou que seria muito difícil conseguir emprego na capital. Por isso, a vítima resolveu se separar e vir para o Gama, em dezembro do mesmo ano. Ela veio morar com a mãe e trouxe as duas filhas, de 9 e 15. Simone continuou pedindo auxílio financeiro para João, que foi quando ele começou a questionar por que ela pedia tanto dinheiro.

O autor do feminicídio chegou a Brasília no sábado (13/2) e voltaria ao Espírito Santo na quarta-feira (15/2). Ele teria vindo apenas visitar as duas filhas do casal, de acordo com o delegado responsável pelo caso, Sadi Jorge.

De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e com a Secretaria de Justiça do Espírito Santo (Sejus), João Alves não tinha passagem pela polícia. 

O crime

João Alves matou a ex-mulher, Simone Sampaio, a facadas no Setor Central do Gama. O feminicídio aconteceu por volta das 8h desta segunda-feira (13/2). O autor do crime foi preso em flagrante pela Polícia Militar do DF e foi levado até o Hospital Regional do Gama (HRG) por conta de um ferimento leve.  Após o atendimento, ele prestou depoimento na 20ª Delegacia de Polícia.

Simone deixou três filhos, de 21, 15 e 9 anos. Esse é o sexto caso de feminicídio no Distrito Federal neste ano e o segundo caso em fevereiro. Em todos os registros, até o momento, a vítima já tinha se relacionado com o autor do crime.

Policial militar que estava de folga, o sargento Wenderson Souza foi responsável pela prisão em flagrante de João Alves. Na hora do crime, ele passou de carro pelo local e presenciou toda a cena. Ele contou ao Correio que viu quando João estava mais ou menos a um metro de distância de Simone, com a faca na mão. "Ele avançou e deu pelo menos quatro facadas nela", disse.

O militar afirmou que, logo em seguida, o homem saiu correndo do local. Souza o perseguiu e deu voz de prisão. "Ele obedeceu, deitou no chão".

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2023/02/5073306-simone-foi-morta-pelo-ex-marido-apos-discussao-por-dinheiro.html


Marcha das Margaridas

Inscreva seu email

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Aborto Legal

aborto legal capa

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Tecelãs do Cuidado - Cfemea 2021

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Mulheres do Distrito Federal se preparam para receber a Marcha das Margaridas. Cfemea presente!

Dezenas de ativistas do Distrito Federal se reuniram em Plenária para debater e construir a Marcha das Margaridas. A marcha já é um dos maiores eventos feministas antirracistas do Brasil.

Congresso: feministas mapeiam o conservadorismo

Pesquisa aponta: só mobilização pode superar conservadorismo do Congresso. Lá, 40% alinham-se ao “panico moral”; 57% evitam discutir aborto; 20% são contra atendimento às vítimas e apenas um em cada cinco defende valores progressistas

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

nosso voto2

...