Em entrevista à Alma Preta durante evento na cidade francesa de Marselha, a ativista analisou como sua obra discute desdobramentos da colonização europeia

Foto: Iacy Correia/Alma Preta

ALMA PRETA

16 DE OUTUBRO DE 2023

 

Por:  Iacy Correa e Mariane Barbosa

Conselheira e uma das fundadoras do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), a psicóloga, pesquisadora e ativista Cida Bento esteve presente na França, durante a última semana, para um breve tour de lançamento da edição em francês de seu livro “O Pacto da Branquitude”. A turnê já passou pelas cidades francesas de Paris, Lyon e Marselha. Nesta terça-feira (17), o evento se encerra em Bruxelas, às 18h, no La Bellone Café.

A obra propõe uma análise do modo como a branquitude continua a reger a organização das sociedades contemporâneas e a influenciar as nossas trajetórias individuais. Em entrevista à Alma Preta durante evento em Marselha, Cida Bento reforçou a importância de analisar a colonização europeia e seus desdobramentos em diferentes países ao redor do mundo, inclusive no Brasil.

“Penso que falar sobre essa herança concreta e simbólica que vem da colonização e da escravidão abre outros horizontes para discutirmos e traz o negro para esta história na qual ele sempre esteve, mas invisibilizado“, diz a ativista, eleita em 2015 pela revista The Economist uma das 50 pessoas mais influentes do mundo no campo da diversidade.

Em sua visão, é necessário refletir a condição de “países civilizados” a partir da história europeia na construção da civilização, tema que aborda em sua obra. “A gente precisa refletir sobre isso e o quanto esse processo de colonização exportou violência e corrupção para países como o Brasil“, pontua.

Para Renata Pires-Sola, fotógrafa, artista visual e mediadora cultural, que acompanhou o lançamento do livro em Marselha, cidade no sul da França, a tradução em francês da obra de Cida Bento é de extrema importância para ampliar o debate sobre o racismo no país. 

Iacy Correia/Alma Preta

“Acho que é leitura obrigatória para qualquer pessoa, independente da sua cor de pele. Esse tipo de temática é muito importante aqui na Europa, sobretudo na França, que tem esse contexto atual tendendo muito para o fascismo e extrema-direita. E a França tem esse traço extremamente problemático que não autoriza a contagem de pessoas pela raça e isso dificulta muito os processos de luta e propostas de políticas públicas para diminuir os casos de racismo que acontecem aqui. O encontro foi super emocionante e inspirador”, relata. 
A tradução e distribuição do livro “O Pacto da Branquitude” foi realizada pela Editora Anacaona, cujo foco está na literatura marginal, escrita por minorias raciais ou socioeconômicas. Em sua galeria é possível encontrar traduções de outras autoras negras como Djamila Ribeiro e Sueli Carneiro.

 
ALMA PRETA

A Alma Preta é uma agência de notícias e comunicação especializada na temática étino-racial no Brasil.


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...