Dados de 2022 mostram que 100 mães pretas morreram a cada 100 mil nascimentos; índice entre mães pardas foi de 50,36 e entre mães brancas de 46,56.

Por Paloma Rodrigues, g1 — Brasília

 

mortalidade de mães pretas é duas vezes maior do que a de brancas no Brasil, segundo dados do Sistema Único de Saúde (SUS). Para cada 100 mil nascidos vivos, 100 mães pretas morreram, enquanto entre as brancas o índice foi de 46,56.

  • A meta da Organização das Nações Unidas (ONU) até 2030 é de 30 mortes a cada 100 mil nascidos vivos.

Os números são de um estudo da Fiocruz, em parceria com o Ministério da Saúde, lançado nesta quinta-feira (23).

  • A morte é considerada materna quando acontece até 42 dias após o término da gravidez por causa atribuída à gestação, parto ou puerpério.

O levantamento "Pesquisa Nascer no Brasil II: Inquérito Nacional sobre Aborto, Parto e Nascimento" foi feito com base nos dados dos sistemas de controle do SUS sobre internação de mulheres em casos de parto ou aborto, em hospitais públicos ou mistos, e mostram que:

  • A incidência de morte de mulheres pretas no parto foi de 100,38, enquanto a de mães brancas foi de 46,56.
  • O índice no caso das pardas foi de 50,36 para cada 100 mil.

 

Mortalidade de mães pretas é duas vezes maior do que de brancas mulher grávida — Foto: DCStudio

Mortalidade de mães pretas é duas vezes maior do que de brancas mulher grávida — Foto: DCStudio

Também nesta quinta, o Ministério da Saúde lança a campanha “Racismo faz mal à saúde”, que será veiculada em redes sociais com material de conscientização sobre o impacto do social do racismo na saúde.

Diante dos números, o Ministério da Saúde anunciou a reabertura do Comitê Nacional de Prevenção à Mortalidade Materno Infantil.

🎯 O governo informou que uma das prioridades na área da saúde será a ampliação da oferta de centros de parto natural e maternidades, incluídos no Novo PAC (Programa de Aceleração Econômica).

Durante a pandemia da Covid-19, os índices de morte maternas dispararam diante da maior vulnerabilidade de gestantes diante do vírus. Em 2021, o índice ficou em 194,8 no caso de mulheres pretas, 121 em mulheres brancas e 100 para pardas.

Pânico de engravidar: entenda a tocofobia, que leva a abstinência e a exagero em pílulas do dia seguinte

Pânico de engravidar: entenda a tocofobia, que leva a abstinência e a exagero em pílulas do dia seguinte

Falta de assistência pré-natal

 

Falta de assistência pré-natal está entre os fatores para maior mortalidade materna de pretas e pardas — Foto: William Fortunato/Pexels

Falta de assistência pré-natal está entre os fatores para maior mortalidade materna de pretas e pardas — Foto: William Fortunato/Pexels

Um dos principais fatores para a morte após a gestação é a falta de assistência pré-natal, tanto para mães quanto bebês.

A pesquisa aponta 13,4% das gestantes pretas e pardas começaram o acompanhamento médico apenas no segundo trimestre da gravidez, quando o ideal é que o primeiro atendimento ocorra até a 12ª semana de gestação.

No caso das mulheres brancas, 9,1% começaram o acompanhamento no segundo trimestre.

 

Doenças pré-existentes

 

Outro ponto que agrava a situação são as doenças pré-existentes.

As doenças mais comuns nos casos de mortalidade materna foram:

  • síndromes hipertensivas (gestantes pretas, 64,2%; pardas, 62,1%; e brancas, 54,7%);
  • hipertensão arterial grave (gestantes pretas, 58,5%, pardas, 54,8%; e brancas, 50,1%); e
  • pré-eclâmpsia grave (gestantes pretas, 26,5%; pardas, 25%; e brancas, 16,9%).
 

O índice entre mulheres pardas foi de 13,8% e em 10,8% nas mulheres brancas.

Gravidez precoce

A pesquisa também apontou que as mulheres pretas têm maior índice de gestações entre 10 e 19 anos de idade: 15,9%.

As mulheres brancas lideram as gravidezes acima dos 35 anos, com 18% dos casos nessa idade, enquanto as mulheres pretas e pardas tiveram índices de 15,9% e 13,9%, respectivamente.

Em todos os grupos, a maioria das mulheres ficam grávidas entre 20 e 34 anos.

fonte: https://g1.globo.com/saude/noticia/2023/11/23/mortalidade-de-maes-pretas-e-duas-vezes-maior-do-que-de-brancas-aponta-estudo-da-fiocruz.ghtml


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...