Apesar de avanços, desigualdades sociais, raciais e econômicas ainda marcam a população paulista

Jornal da USP no Ar 1ª edição

Rádio USP

 Publicado: 06/12/2023
Por - Jornal da USP


Mulheres correspondem a 51,3% da população paulista – Fotomontagem de com imagens de Reprodução/Freepik e Reprodução/Wikimedia Commons

Pela primeira vez na história, todas as regiões do Brasil apresentam uma população feminina superior à masculina, de acordo com o Censo de 2022 do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE). Assim, dos 203 milhões de indivíduos que fazem parte da população nacional, cerca de 104 milhões representam mulheres. 

Além disso, um estudo realizado pela Fundação Seade revelou que o Estado de São Paulo apresenta 23 milhões de mulheres – valor que corresponde a 51,3% da população paulista e a ⅕ da população feminina brasileira. Com relação à idade dessa parcela da população, foi possível observar uma equivalência entre as faixas etárias de 0 a 14 anos e de 60 anos ou mais — cada uma com 4 milhões de mulheres, valor que representa 17% do total. 

Desigualdade 

Ao todo, as mulheres negras representam mais de ⅓ do total das mulheres paulistas, com exceção da parcela de mulheres com 60 anos ou mais, em que o número de mulheres não negras é duas vezes e meia maior. Além disso, no mercado de trabalho, aponta-se que mulheres pretas encontram-se em desvantagem, já que a taxa de desemprego entre elas é quase 60% superior à das mulheres não negras.

Com relação aos homens não negros, a taxa de desemprego para mulheres negras é mais que o dobro. Além disso, ao avaliar o rendimento desses grupos sociais, foi possível observar que o valor recebido por um homem não negro pela hora trabalhada pode pagar por duas horas de trabalho de uma mulher negra. A pesquisa também constatou que ⅓ dos empregadores paulistas é de mulheres, com 91% delas apresentando empreendimento formal, com CNPJ. 

Escolaridade 

No campo da escolaridade, cerca de 36% das mulheres paulistas com 25 anos ou mais apresentavam o ensino médio completo e 26% concluíram o ensino superior. Nas faixas até 64 anos, o porcentual de mulheres com superior completo superava o de homens.

Apesar disso, as mulheres representam também um número entre aqueles que são denominados de “Nem-Nem” — jovens entre 18 e 24 anos que não estudam nem trabalham. Assim, 31% das mulheres encontravam-se nessa situação, contra 24% dos homens. Entre os diferentes motivos que podem explicar esse fator, encontra-se a alta carga de trabalho doméstico não remunerado ocupado por elas, cenário que marca mais um ponto de desigualdade de gênero na população paulista. 

Maternidade

A pesquisa realizada pela Fundação Seade também revelou que, entre os anos de 2010 e 2021, observou-se uma redução do número de mulheres que tinham menos de 34 anos na data do parto e um aumento das que tinham mais de 35 anos, dado que indica o adiamento da maternidade no Estado. Em 2021, mais de 77% das mulheres que foram mães em São Paulo eram paulistas, dessa forma, entre as naturais de outros Estados, 5,4% eram baianas, 2,9% mineiras e 2,4% pernambucanas.

Apenas 1,5% das mulheres que foram mães em 2021 eram de outros países. As bolivianas representaram a maior parcela, com 40% do total. Haitianas e venezuelanas, que apresentaram números muito baixos em 2010, representaram juntas mais de 20% no último levantamento. Enquanto isso, as mulheres chinesas tiveram sua participação reduzida de quase 10% para 3,4%.

Boletim Panorama Paulista é uma parceria Rádio USP e a Fundação Seade
Produção: Paulo Emira
Co-produção - Cinderela Caldeira, Tulio Shiraishi, Julia Estanislau
Edição - Rádio USP
Mensalmente, quarta-feira, 8h35
Você pode sintonizar a Rádio USP SP 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz, pela internet em www.jornal.usp.br/atualiadades, ou nos principais agregadores de podcast

fonte: https://jornal.usp.br/radio-usp/mulheres-correspondem-a-513-da-populacao-paulista/


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...