Alexandre Vannucchi Leme e Ronaldo Queiroz serão homenageados no Instituto de Geociências da USP em 15 de dezembro

Jessica Bernardo

Metrópoles

Reprodução
imagem em preto e branco mostra estudantes da usp vítimas da ditadura militar - metrópoles

 

São Paulo – A Universidade de São Paulo (USP) vai diplomar postumamente dois estudantes da instituição que foram assassinados durante a ditadura militar no Brasil.

Os homenageados serão Alexandre Vannucchi Leme e Ronaldo Queiroz, alunos do curso de Geologia mortos pelo regime ditatorial em 1973.

A diplomação acontecerá no dia 15 de dezembro, em uma sessão solene que começará às 15h, no Instituto de Geociências, e será aberta ao público. O evento também será transmitido no canal do YouTube da faculdade.

Amigos e familiares dos dois estudantes foram convidados para participar da sessão.

Segundo a assessoria de imprensa da Pró-Reitoria de Inclusão e Pertencimento da USP, os pedidos de diplomação póstuma foram solicitados por familiares e professores do curso de Geologia e aprovados nas instâncias da universidade.

Um projeto da universidade em parceria com a vereadora paulistana Luna Zarattini (PT) prevê, no entanto, ampliar as homenagens póstumas para todas as vítimas da ditadura militar.

O gabinete da vereadora, que também é ex-aluna da USP, apresentou a ideia à reitoria da universidade. O projeto levou o nome de “Diplomação da Resistência” e tem o objetivo de conseguir todas as diplomações até o fim de 2024, quando a universidade completa 90 anos.

Quem são os dois homenageados

Alexandre Vannuchi Leme e Ronaldo Queiroz foram presidentes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da USP.

Segundo a Comissão da Verdade da USP, Ronaldo presidiu o DCE entre 1970 e 1971, até que abandonou o curso após sofrer perseguição política.

O relatório da comissão aponta que o estudante era responsável pelo trabalho da Ação Libertadora Nacional (ALN) no movimento estudantil.

Segundo o documento, a versão oficial apresentada sobre a morte de Ronaldo era a de que ele foi morto no dia 6 de abril de 1973, em um tiroteio depois de resistir à prisão.

“No entanto, o que de fato aconteceu é que ele foi fuzilado por agentes do Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna de São Paulo (DOI-CODI/SP), que não chegaram a lhe dar voz de prisão, baleando o militante à queima-roupa, assim que o reconheceram”, afirma o relatório da Comissão da Verdade.

A verdade sobre o morte teria sido contada por Cláudio Guerra, um dos agentes que participou da operação que o assassinou, no livro “Memórias de uma guerra suja”.

Na presidência do DCE, Ronaldo foi sucedido por Alexandre Vannucchi Leme, estudante de Geologia assim como ele.

Vannuchi entrou na USP em 1970 e chegou ao quarto ano do curso antes de ser preso e assassinado.

Segundo a Comissão da Verdade da USP, o estudante foi preso no dia 16 de março de 1973 pelos agentes do Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna de São Paulo (DOI-CODI).

O relatório afirma que ele foi “duramente torturado até o dia seguinte, quando não resistiu e morreu em decorrência das agressões sofridas na prisão”.

Duas versões diferentes foram apresentadas pelos agentes para justificar a morte. Em uma delas, disseram que Vannucchi teria cometido suicídio com uma lâmina de barbear. Em outra, afirmaram que ele morreu atropelado ao tentar fugir da prisão.

“Ambas as versões foram desmentidas a partir dos depoimentos de uma série de presos políticos que acompanharam sua passagem pela prisão”, diz o texto da comissão da verdade.

A morte de Vannucchi gerou uma comoção na universidade e o DCE acabou ganhando seu nome.

fonte: https://www.metropoles.com/sao-paulo/usp-vai-homenagear-alunos-mortos-pela-ditadura-com-diplomacao-postuma

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...